Buscar

HIDROGÊNIO: O INÍCIO DE UMA NOVA ERA ENERGÉTICA

O principal postulado da Rússia é: se o mundo inteiro está reduzindo drasticamente e ao mesmo tempo se afastando dos combustíveis fósseis e hidrocarbonetos, quem pode atender de forma sustentável a demanda do mercado, pelo menos no curto e médio prazo?


2020 foi um ano de mudanças radicais nos mercados de energia. O primeiro, mas não o mais importante, foi o fracasso deliberado do acordo OPEP + em março. Isso foi em grande parte predeterminado pela realocação de posições dos principais players do mercado de petróleo. Em 2016, quando o primeiro acordo OPEP + foi anunciado, a participação da OPEP na produção mundial de petróleo e hidrocarbonetos líquidos era de 37,8%, mas em 2019 era de apenas 34,4%, de acordo com a Energy Information Administration ( EIA) dos EUA. A participação dos Estados Unidos no mesmo período aumentou de 15,2% para 19,3%, enquanto a dos países da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento) juntos aumentou de 27, 5% a 31,4%.

Fonte/créditos: https://paisminero.co/

Foi a Rússia quem conseguiu cortar o nó górdio. Moscou rapidamente entendeu a falta de sentido da "corrida de redução", quando a produção fora dos países da OPEP crescia caoticamente e a Europa Ocidental e a América do Norte estavam dando passos importantes na transição para economias de baixo carbono. A situação geopolítica geral, juntamente com a pandemia COVID-19, levou a Rússia a retomar sua participação em um novo acordo. No entanto, este foi apenas um recuo tático e uma compensação temporária que não pode reverter as tendências globais a longo prazo.


O caminho para a descarbonização global

A mais importante dessas tendências é a descarbonização da economia mundial, impulsionada pelo rápido desenvolvimento de recursos energéticos renováveis. Apesar do COVID-19, o setor de energia renovável tem apresentado uma taxa de crescimento maior em comparação com todos os anos anteriores. De acordo com o EIA, a geração de eletricidade por fontes renováveis ​​(excluindo energia hidrelétrica) nos Estados Unidos aumentou 5% em 2019, enquanto nos primeiros nove meses de 2020 o crescimento já era de 12% ao ano. Esse crescimento acelerou de 9,1% para 9,5% na União Europeia, de acordo com o Ember Research Center.

Não menos importante é o fato de que os investimentos em energia renovável se mostraram altamente resistentes à pandemia: a Agência Internacional de Energia (AIE) estima que o investimento global na produção de petróleo, gás e carvão em 2020 cairá 29%. (para US $ 689 bilhões), enquanto nas energias alternativas apenas 3% (para US $ 301 bilhões). Já a participação dos investimentos em energias renováveis ​​no setor de geração de eletricidade aumentou para 67% (ante 65% em 2019). Em parte, é por isso que a IEA melhorou sua previsão de longo prazo para o crescimento médio da demanda global de energia renovável em seu último World Energy Outlook (de 7,1% para 7,4% ao ano).

Longe de serem novatos

O futuro da energia do hidrogênio também ficou mais claro no final de 2020. Em junho, a Alemanha publicou uma estratégia nacional para o hidrogênio composta por 38 etapas com um custo total de € 9 bilhões, principalmente focada na produção de hidrogênio a partir de recursos de energia renovável. O exemplo da Alemanha foi seguido não apenas pela União Europeia, que apresentou sua própria estratégia para o hidrogênio em julho, mas também pela Rússia, que aprovou o Plano de Desenvolvimento Energético do Hidrogênio. Isso não é uma coincidência, mas um sinal muito claro de que a cooperação no setor de energia continua sendo uma prioridade para os dois países, apesar das profundas diferenças políticas. Além disso, a estratégia alemã de hidrogênio reconhece a cooperação com outros participantes do mercado: o documento, Composta de 32 páginas, fala "internacional" 49 vezes. As empresas russas e euro-asiáticas estão longe de ser novas na indústria de hidrogênio:

O hidrogênio já faz parte do ciclo de processo de dezenas de refinarias e instalações petroquímicas da Rússia e da Eurásia, sem falar nas usinas de GNL e amônia.

Rosatom e Gazprom iniciarão suas próprias usinas de hidrogênio em 2024, que usarão energia nuclear (hidrogênio amarelo) para reduzir as emissões de CO2, ou reformando o metano com vapor (hidrogênio azul).

Outro projeto será implementado pela RusHydro, que construirá uma planta de hidrogênio na região de Magadan em meados da década de 2020, juntamente com a gigante japonesa Kawasaki Heavy Industries.

Os pontos de crescimento da indústria também serão a região de Sakhalin, onde as autoridades locais pretendem criar um cluster de hidrogênio, e o cluster nas áreas do Ártico, onde as tecnologias de hidrogênio podem resolver o problema de longa data do fornecimento de energia e quente.

O Cazaquistão e o Uzbequistão estão investindo cada vez mais em parques eólicos e solares e em breve serão fornecedores de vários tipos de hidrogênio.

A Eurásia em geral, e a Rússia em particular, tem uma enorme plataforma para projetos de hidrogênio 'verde' de capital intensivo, exigindo ampla cooperação internacional, conforme demonstrado claramente pelo projeto europeu NortH2 (envolvendo RWE, um produtor de eletricidade alemão, e Groningen Seaports, uma operadora portuária holandesa, juntamente com a Shell, Gasunie e Equinor). Esses projetos na Rússia podem ser apoiados por uma impressionante frota de parques eólicos, de propriedade da subsidiária russa da Fortum, Rosnano, e de empresas dedicadas da Rosatom, como a NovaWind. Várias outras grandes empresas podem reivindicar o papel de iniciadores e investidores, como Novatek (já demonstrou interesse no fornecimento de hidrogênio); Inter RAO (assumiu investimentos em energia renovável em sua nova estratégia de médio prazo), e, portanto, as empresas eurasianas não devem ser interpretadas como novatas na indústria de hidrogênio.



Fontes/créditos:

https://paisminero.co/

https://paisminero.co/index.php?option=com_content&view=article&id=22518:hidrogeno-el-comienzo-de-una-nueva-era-energetica&catid=131:tecnologias-limpias&Itemid=954


Por Dr. Fares Kilzie para Oillahoma / paisminero

Parceiros 
Tec Mineração.jpg
2.png
CETEM.jpg
LAPROM.jpg
logo-cba.png
CPRM.jpg
  • facebook64x64
  • Clube da Mineração
  • twitter64x64
ANBEM.jpg
ANM.jpg

 Entre em Contato

© 2014 Clube da Mineração - Brasil