Parceiros 
mining, mineração, mineral, minería, 矿业 e geologia
mining, mineração, mineral, minería, 矿业 e geologia
mining, mineração, mineral, minería, 矿业 e geologia
mining, mineração, mineral, minería, 矿业 e geologia
mining, mineração, mineral, minería, 矿业 e geologia
  • facebook64x64
  • twitter64x64

 Entre em Contato

© 2014 Clube da Mineração - Brasil

RECUPERAÇÃO INESPERADA DO SETOR DE MINERAÇÃO DEVE BENEFICIAR INVESTIDOR

Uma mina de minério de ferro da Rio Tinto em Pilbara, na Austrália.

 

Um aumento nos preços das commodities está levando o setor de mineração a planejar o pagamento de diviendos especiais. 

 

PHOTO: 

MATT BURGESS/XINHUA/ZUMA PRESS​

 

A Rio Tinto PLC está enfrentando um problema que poucos poderiam antecipar há um ano: o que fazer com tanto dinheiro em caixa.

Depois de um aumento nos preços que favoreceu desde minério de ferro até o cobre, a segunda maior mineradora do mundo e suas rivais, entre ela a Vale S.A., estão experimentando uma recuperação inesperada, e analistas acreditam que elas poderiam se beneficiar da reviravolta do mercado para recompensar investidores leais. Os investidores estão antecipando uma recuperação mais ampla nos retornos do setor de mineração, e as cotações das ações estão subindo em consequência desse sentimento. O Índice de Mineração Global S&P/TSX, um indicador do desempenho das mineradoras, subiu 70% nos últimos 12 meses. A mineradora e trading suíça Glencore PLC afirmou, em dezembro, que planeja voltar a pagar dividendos para investidores em 2017 depois de vender ativos e reduzir seu endividamento. Investidores e analistas esperam que outras mineradoras como a Rio Tinto possam estar considerando um dividendo especial ou mesmo uma recompra de ações, embora isso só deva acontecer mais para o fim do ano, quando os executivos estarão mais confortáveis com a recuperação do mercado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para a Rio Tinto, os ganhos inesperados devem permitir que o diretor-presidente Jean-Sébastien Jacques, há sete meses no cargo, consiga demonstrar melhor sua estratégia para a mineradora. Investidores estão observando de perto como a mineradora está equilibrando redução de dívidas e o pagamento de dividendos e reservando dinheiro para dias difíceis. A Rio Tinto divulga seu resultado anual na quarta-feira.

 

“O foco no valor do acionista é maior que antes”, diz Nicki Ivory, principal analista de mineração da consultoria Deloitte na Austrália.

A gigante anglo-australiana deve registrar um lucro anual de US$ 5,18 bilhões em 2016, ante uma perda líquida de US$ 866 milhões no ano anterior, segundo a mediana de previsões feitas por oito analistas.

 

A RBC Capital Markets, braço de investimento do banco canadense RBC, estima que a Rio Tinto tenha aumentado a receita em US$ 1,1 bilhão em 2016. Além dos preços maiores, uma campanha para elevar a produtividade está dando frutos.

 

A Rio Tinto está projetando que irá gerar US$ 5 bilhões em fluxo de caixa adicional nos próximos cinco anos — uma medida calculada pela receita gerada com as operações menos os investimentos — só como resultado da iniciativa de reformar as minas.

 

 

A RBC está entre as firmas que projetam que o excesso de receita gerada em 2016 será direcionado para o pagamento de dividendos e dívida. Ela projeta um dividendo de US$ 1,53 por ação, acima da meta da Rio Tinto de até US$ 1,10. A Canaccord Genuity tem uma estimativa de US$ 1,30 para 2016 e uma previsão de US$ 1,88 para 2017.

 

Reduzir sua dívida permanecerá sendo o foco da Rio Tinto e de suas concorrentes, muitas das quais estavam lutando para elevar sua receita quando o boom das commodities da China entrou em colapso.

 

A dívida líquida das seis principais mineradoras diversificadas do mundo caiu para um total de US$ 89 bilhões em 2016 ante US$ 110 bilhões no ano anterior, e deve ser reduzida para US$ 70 bilhões até o fim de 2017, prevê o banco Credit Suisse.

 

As mineradoras também não querem extrapolar [no pagamento de dívidas e dividendos] porque começam a dar atenção também ao crescimento. A Rio Tinto já está avançando em empreendimentos de minério de ferro e bauxita na Austrália e em uma mina de cobre na Mongólia.

 

A RBC está entre as firmas que projetam que o excesso de receita gerada em 2016 será direcionado para o pagamento de dividendos e dívida. Ela projeta um dividendo de US$ 1,53 por ação, acima da meta da Rio Tinto de até US$ 1,10. A Canaccord Genuity tem uma estimativa de US$ 1,30 para 2016 e uma previsão de US$ 1,88 para 2017.

 

Reduzir sua dívida permanecerá sendo o foco da Rio Tinto e de suas concorrentes, muitas das quais estavam lutando para elevar sua receita quando o boom das commodities da China entrou em colapso.

 

A dívida líquida das seis principais mineradoras diversificadas do mundo caiu para um total de US$ 89 bilhões em 2016 ante US$ 110 bilhões no ano anterior, e deve ser reduzida para US$ 70 bilhões até o fim de 2017, prevê o banco Credit Suisse.

 

As mineradoras também não querem extrapolar [no pagamento de dívidas e dividendos] porque começam a dar atenção também ao crescimento. A Rio Tinto já está avançando em empreendimentos de minério de ferro e bauxita na Austrália e em uma mina de cobre na Mongólia.

 

 

Fonte/Creditos: 

The Wall Street Journal

http://br.wsj.com

http://br.wsj.com/articles/SB12509381972688363447504582603952661572214

 

                 

 

 Por           Rhiannon Hoyle, de Sydney ,   Monday, February 6, 2017 12:04 AM EDT

Please reload

Please reload